web analytics

Hospedagem de sites E-commerce

Dados recentes divulgados pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) indicam que os brasileiros têm se sentido cada vez mais confortáveis e seguros em comprar pela Internet. Dos mais de quinhentos entrevistados, nove entre dez consumidores adquiriram produtos e serviços através de lojas virtuais.

Essa pesquisa revela duas informações interessantes: a primeira, que está ligada diretamente ao número cada vez maior de pessoas comprando pela Internet, e a segunda e talvez mais importante, a confiança do consumidor nas lojas virtuais. Todos nós já ouvimos falar de compras frustradas pela Internet, onde os produtos demoravam demais para chegar e, em alguns casos, nem sequer chegavam à residência do consumidor.

Felizmente, a qualidade do e-commerce transformou-se num fator primordial para qualquer empresa que possua presença na Internet, e deve ser uma preocupação constante – isso afeta o serviço como um todo, gerando uma satisfação maior por parte do cliente e o desejo em repetir esse tipo de operação.

A ideia de iniciar um e-commerce ficou tentadora? Bem, antes de continuarmos. Faremos uma pergunta que definirá o tema da publicação de hoje: qual é o ambiente ideal para que meu e-commerce seja desenvolvido satisfatoriamente?

 

O servidor In-house

Vale lembrar que não iremos falar sobre empresas, e sim sobre servidores. O primeiro tipo é chamado de In-house, termo americano que se refere a um servidor desenvolvido pela própria empresa. Nesse caso, o servidor é moldado de acordo com as necessidades da empresa e apresenta características únicas. Esse modelo revela-se mais caro do que outros tipos de servidores, justamente pelo fato de ser exclusivo e adaptado para a situação em que a empresa se encontra.

Para o servidor In-house, é necessário que o desenvolvedor do website tenha um profundo conhecimento sobre html, codificação, design e tecnologia da informação. Se você não se sentir confiante em hospedar o site num servidor próprio, não hesite em contratar uma empresa que possa fornecer um servidor já pronto.

No caso do servidor In-house, é comum empresas terceirizarem a administração do servidor e do site para outras equipes a fim de evitar eventuais problemas de segurança e downtime. Outros fatores que podem influenciar nessa decisão são o desenvolvimento do SEO e outras questões técnicas que exigem um conhecimento mais específico que apenas determinados profissionais da área da informática possuem.

 

 

A relação do In-house com o colocation.

Como nos referimos acima, o servidor In-house é o tipo mais caro, e muitos usuários deixam de considera-lo como opção justamente por esse fator. O que pode amenizar a quantia investida e ajudar a poupar um pouco de dinheiro é o sistema colocation. Para quem não se lembra, o colocation nada mais é do que uma adaptação do servidor em relação ao número de acessos – ou seja, quanto maior for o tráfego, maior será a banda disponibilizada pelo servidor para suportar o número de acessos.

O colocation pode até ajudar a conhecer melhor o website e desenvolvê-lo de acordo para obter o máximo de desempenho. Muitas vezes, optamos por um servidor potente e com um alto índice de banda sendo que o site ainda não exige tamanha performance por parte do host. Isso causa perda desnecessária de dinheiro que poderia ser investido em outras áreas de infraestrutura.

 

Servidor dedicado e compartilhado: outras opções.

Se mesmo com o colocation o servidor In-house não se mostrar ideal, há sempre a possibilidade de contratar uma empresa de hospedagem para fornecer o espaço necessário para o site. Esse espaço pode ser de dos tipos:

1 – Servidor dedicado: no quesito performance, ele é considerado o melhor. Você não precisará se preocupar com o uptime do site, as páginas serão carregadas rapidamente e a experiência de navegação se revelará satisfatória. O problema, assim como o sistema In-house, é o preço: o servidor dedicado possui um valor mais elevado do que os demais servidores.

2 – Servidor compartilhado: o tipo de servidor que mais se aproxima do servidor dedicado, porém oferece uma relação custo-benefício mais atrativa, é o servidor compartilhado. Seu e-commerce estará num servidor que será compartilhado com outros usuários. O problema de desempenho se dá quando um dos sites sobrecarrega o servidor compartilhado, pois as outras páginas nele hospedadas podem sofrer consequências que afetem seu bom funcionamento. A escolha da empresa de hospedagem nesse caso é fundamental.

Independente do tipo de servidor escolhido é preciso ter em mente que o mercado brasileiro está cada vez mais competitivo e a Internet tem relação direta com isso. Logo, se seu e-commerce não apresenta aquilo que o usuário procura em termos de qualidade e experiência de navegação, com certeza outra opção será procurada e sua empresa perderá um cliente em potencial.

Você possui um e-commerce, ou tem intenção em começar a desenvolver um? Não sabe como dar o primeiro passo ou por onde começar? Não deixe de compartilhar suas dúvidas e sugestões com a comunidade do Dicas de Hospedagem através da seção de comentários!



Você também vai gostar de:

Share This