web analytics

Rastreamento de tráfego

Convenhamos: com o rastreamento de tráfego, é muito mais fácil prever o que o público busca em seu site e, com isso, colocar as Call To Actions em ação. Um conteúdo que busca uma reação específica pode se mostrar muito efetivo para o desenvolvimento de um site, e compreender a maneira com que os usuários se comportam é a chave para tornar tal objetivo possível.

Entretanto, essa realidade mostra-se ameaçada por softwares similares aos bloqueadores de propaganda. Trata-se de programas que são capazes de bloquear também todo e qualquer tipo de analytics e, com isso, manter o rastro deixado por um usuário privado e inacessível.

Como manter-se relevante no mercado desconhecendo seu público e a velocidade com que ele se renova? Falaremos sobre esse importante tema na publicação de hoje.

Vamos lá?

 

 

Não deveríamos estar surpresos.

 

Para os que já trabalham na área, é de se estranhar a surpresa. Primeiramente, porque a necessidade de privacidade por parte dos usuários tem crescido cada vez mais, consequência dos diversos problemas de segurança que aventaram sites de grande porte nos últimos anos. Muito já se falou sobre isso, como o Facebook utilizando dados pessoais para ser mais assertivo em propagandas, ou tomando tudo que é publicado por terceiros em seus servidores como propriedade intelectual.

Diversas situações similares têm surgido nos últimos anos, e um bloqueador de rastreamento de tráfego nada mais é do que uma reação a um comportamento nocivo por parte dos desenvolvedores de sites e dos profissionais da área do marketing digital.

Para começar, toda a ideia de propaganda nos sites deve ser revista. De nada adianta um pop up com uma propaganda de um aspirador de pó em oferta no Submarino surgir para um usuário que busca adquirir um livro de Direito Trabalhista no mesmo site. São públicos diferentes com necessidades diferentes e que, erroneamente, são tratados como consumidores ávidos por promoções e que estão dispostos a gastar uns trocados em algo que não precisam.

Além disso, as propagandas podem soar invasivas. Quantas vezes um banner surgiu na barra à esquerda da linha do tempo do Facebook com uma propaganda que tem relação direta com um assunto que está sendo tratado através de mensagem privada, por exemplo? Quão privada é essa mensagem? Quão seguros estão os dados que deixamos ali, num site que se mostra confiável e zeloso com as informações particulares de seus usuários?

 

 

Propagandas sem público alvo definido.

A maioria dos usuários que utiliza extensões como adblockers dizem fazê-lo porque as propagandas oferecidas pelos sites são exatamente contrárias ao conteúdo que procuram. Em outras palavras, o que é oferecido nada tem a ver com a demanda gerada pelo público. Como uma propaganda pode não ser irritante numa situação como essa? Se com os advertisings, conseguimos faturar com nossas páginas na Internet, provavelmente estamos trabalhando com eles de uma maneira inapropriada.

Apesar disso, muitos dos usuários questionados disseram estarem abertos a algumas propagandas. Logo, chegamos à conclusão que o problema não está com a propaganda em si, e sim com a maneira com que está sendo desenvolvida.

Com o possível fim do rastreamento de tráfego, cada vez mais o público se torna uma incógnita – e desvendá-lo uma vez mais é a chave para se manter relevante nesse ambiente competitivo e imprevisível.

 

 

O que fazer?

 

Como burlar um programa que impede o rastreamento de tráfego?

Bem, isso simplesmente não é possível. E não é possível também impedir que um usuário opte por usar um programa como esse.

Mas essa situação deve ser encarada de uma maneira diferente. Ao invés de ser definida como uma perda na indústria do marketing digital, pode ser considerada uma oportunidade para novas formas de desenvolver propagandas e tornar sua página relevante em seu segmento.

Como? Bem, boa parte das alternativas são exploradas com frequência no Dicas de Hospedagem. Dentre elas, destacamos:

Palavras-chave: toda postagem em sua página pode conter palavras-chave. Com elas, o público pode localizar determinados conteúdos de seu site através dos mecanismos de busca e, com isso, acessá-lo – ainda que não pela “porta da frente”, a homepage. Essa landing page pode significar a chance de colocar todas as Call To Actions que considerar válidas. Propagandas também são permitidas, obviamente. Apenas pense em trata-las de uma maneira diferente. Nada de pop-ups invasivos, por exemplo.

Marketing de conteúdo: o que tem se mostrado mais eficaz atualmente é o marketing de conteúdo. Com ele, é possível se estabelecer como uma referência dentro de sua área de atuação através do compartilhamento de conteúdos, artigos e publicações relevantes. Nelas, você pode tratar de algum produto ou serviço que seu site oferece e, ainda, fazer reviews de produtos próprios ou até da concorrência, com a devida imparcialidade. É através do marketing de conteúdo que você ganha a confiança de seu público, pois você deixa evidente na prática que sabe do que está falando e que sua empresa nada mais é do que um reflexo de sua própria ideologia. Costumamos dizer que o marketing de conteúdo é a melhor maneira de promover sem promover.

Reeducar velhos hábitos: estamos numa área que se modifica constantemente. Ainda assim, abanadonar velhos hábitos pode ser complicado. Por vezes, basta modificar determinados comportamentos e, com isso, o resultado esperado pode ser obtido. Isso pode incluir desde o SEO de sua página até a maneira com que o marketing de conteúdo está sendo praticado.

Finalizamos com a seguinte ideia: não saber o que seu público procura pode ser frustrante, mas oferecer um conteúdo de qualidade independente do tipo de reação que se deseja causar pode ser uma grata surpresa. Quem sabe, até mesmo uma habilidade pode ser desenvolvida nesse tipo e prática e, com isso, o marketing digital poderá tomar rumos que favoreçam o campo em si e, ao mesmo tempo, o usuário.

Continue ligado no Dicas de Hospedagem para mais informações sobre marketing de conteúdo e boas práticas para tornar-se relevante na Internet!



Você também vai gostar de:

Share This