web analytics

Notícias de Hospedagem de Sites

Pelo menos 500 milhões de contas foram afetadas em ataque ao Yahoo!

Em ataque aos servidores do Yahoo! em 2014, temos agora informações precisas de quantas contas foram invadidas e tiveram uma possível quebra de privacidade: 500 milhões. Em relatório divulgado pela Yahoo! Inc., descobrimos que, dentre os dados acessados pelos hackers, incluem-se nomes, endereços de e-mail, datas de nascimento, números de telefone, perguntas de segurança e senhas criptografadas.

Informações como contas bancárias e números de cartões de crédito não foram violadas, indica a investigação. O mais impactante nisso tudo é que o número de afetados pelo ataque ultrapassa a metade de usuários do Yahoo/Verizon, que beira atualmente os dois bilhões.

A chefe executiva do Yahoo!, Marissa Mayer, que tenta manter a empresa funcionando até que a transação para a Verizon seja finalizada até dezembro de 2016, informa que o Yahoo! está trabalhando de perto com as autoridades e que ataques cibernéticos como esse tem sido comuns.

Pode soar presunçoso, mas a afirmação de Marissa é verdadeira. Como exemplo, podemos citar o ataque aos bancos de dados do Linkedin, que resultou numa brecha em mais de seis milhões de senhas de usuários.

Os usuários do Yahoo! afetados pelo ataque já estão sendo notificados.

Novidades no segmento de Internet das Coisas.

Já temos ouvido falar sobre a Internet das Coisas (Internet of Things) já a alguns anos, mas ultimamente tudo tem estado bem quieto, aparentemente sem grandes novidades. Em entrevista ao Internet of Things Institute, o colaborador da manufaturadora McKinsey & Company, Mark Patel, mostra que o segmento apresenta sim uma evolução.

O foco tem sido na implementação técnica de sensores, conectividade e processamento. Na prática, porém, Patel deixa claro que a rotina das equipes envolvidas tem sido a substituição de aparatos que falham durante o funcionamento – o que significa que a Internet das Coisas ainda está em fase de testes, apesar de alguns produtos que flertam com essa tecnologia já estarem disponíveis no mercado.

Graças às inúmeras tentativas, erros e acertos, já é possível fazer previsões sobre quais aparelhos modificar, quais programas instalar e, principalmente, quais tipos de sensores podem apresentar futuros erros.

Exemplificando com a área da saúde, Patel deixa evidente o desafio atual: apesar de conseguir informações preciosas com a implementação da Internet das Coisas nos hospitais, postos e clínicas, como encontrar o provedor ideal para a tecnologia? E pessoas dispostas a utilizá-la? E quanto a terceiros dedicados a análise dos dados coletados?

A novidade no segmento diz respeito especificamente ao modo de cobrança dos serviços que podem vir a utilizar o Internet das Coisas: de acordo com o consumo, algo semelhante ao que ocorre com nossas contas de água ou energia.

Por fim, Patel deixa claro que, em diversas áreas, a Internet das Coisas trata mudanças impactantes.

Você está pronto?

Google cria marca própria para tecnologia em nuvem.

Na convenção da Horizon, ocorrida no final de setembro em São Francisco, a gerente de vendas e planejamento do Google Diane Greene anunciou que a empresa decidiu reunir todos os serviços em nuvem, desde aplicativos, ferramentas e produtos no geral, numa só marca: Google Cloud.

Nela, estão inclusos a plataforma Google Cloud, o G Suite e aplicativos para Android e Chrome.

Inicialmente, a marca estará disponível em Mumbai, Cingapura, Sidney, Virginia do Norte, São Paulo, Londres, Hamina (Finlândia) e Frankfurt.

Para mais informações e notícias do mundo da tecnologia, continue ligado no Dicas de Hospedagem!



Você também vai gostar de:

Share This