web analytics

No começo de Junho deste ano, a HostDime Brasil iniciou as operações de uma nova estrutura de data center em São Paulo, a segunda no Brasil – a outra está localizada no Estado da Paraíba. A empresa divulgou o lançamento em seu site recentemente, chamando a atenção do mercado para o alto padrão tecnológico e operacional da estrutura, que conta com recursos como IPMI nativo (mais explicações abaixo) conectado ao portal CORE da empresa, KVM-IP para cada servidor e capacidade de reboot remoto via régua de energia. Além disso, conta com ampla conectividade – são 6 backbones, e conexões diretas ao PTT-SP e ao NAP of the Americas.

O Dicas de Hospedagem entrevistou, com exclusividade, o Gerente de Marketing da HostDime Brasil, Carlos Zamora. Na entrevista, nosso portal tira as suas dúvidas sobre a estrutura e os planos futuros da HostDime no Brasil. 

Novo datacenter da HostDime em São Paulo

Dicas de Hospedagem (DdH)Primeiramente, Carlos, obrigado por compartilhar de seu tempo para falar conosco! Nossos leitores certamente serão gratos por isso. Bem, nós já sabemos que a HostDime tem um datacenter na Paraíba, além de seis outras estruturas ao redor do mundo. O que motivou a empresa a inaugurar mais uma estrutura no Brasil?

Carlos Zamora – Olá Pessoal. É sempre um grande prazer poder contribuir com o DdH, principalmente em um momento de expansão do mercado de hosting no Brasil. Exatamente como você disse, já operamos sete estruturas diferentes ao redor do planeta, sendo uma delas (própria da HostDime) na Paraíba. No entanto, apesar da geolocalização e do atendimento a uma demanda crescente, tínhamos carência de fornecimento de serviços com menor latência para os nossos clientes do Sul, Sudeste e América Latina, carência esta que foi suprida por conta da inauguração da nova estrutura em São Paulo.

Realmente é um desafio muito grande manter a qualidade do link, principalmente quando falamos de um país em que boa parte da estrutura de rede de fibra ótica está, infelizmente, jogada de lado. Portanto, a opção pela geolocalização dos serviços acaba sendo mais interessante para o atendimento de todos os tipos de demandas.

 

DdHQuem é o público dos novos planos de hospedagem baseados na estrutura de São Paulo?

Todos os serviços fornecidos em São Paulo têm como público alvo micro, pequenas e médias empresas que desejam investir em serviços um pouco mais caros, sim, mas que entregam uma qualidade de ponta, pautada pelos diferenciais da estrutura. Não que as demais operações gerenciadas pela HostDime tenham menor investimento, no entanto nos prepararmos para atender uma demanda diferenciada que, atualmente, não atendemos nas demais estruturas – pelo menos não da mesma maneira.

Para clarificar a ideia que estou falando, posso mencionar o fato de que, em São Paulo, todos os servidores vêm acompanhados de IPMI nativo. Para quem não está familiarizado, o IPMI permite acesso remoto ao servidor mesmo sem conexão direta à rede, como uma espécie de KVM-IP (que também possuímos para todos os servidores na estrutura de São Paulo).

 

DdHA HostDime tem intenção de oferecer servidores dedicados e co-location na nova estrutura?

Sim! Na verdade, já estamos oferecendo serviços dedicados e de co-location na nova estrutura. Por enquanto, os clientes interessados poderão contatar o nosso time de atendimento corporativo que terá o maior prazer em apoiá-los na cotação. Inclusive, por conta da inauguração da operação, temos conseguido bons descontos para novas aquisições.

Já no lado do varejo, inauguramos há alguns dias as landing pages de venda direta dos serviços de hospedagem de sites, revenda de hospedagem e servidores VPS.

 

DdHNossos leitores já viram muito sobre datacenters do mundo todo, incluindo uma série especial sobre os maiores (e que nem sempre estão disponíveis para uso público). Esta é a primeira vez em que trazemos um panorama de um datacenter brasileiro. Quanto tempo leva para preparar uma datacenter como este? Quais são os profissionais envolvidos?

Posso falar neste sentido com a minha experiência profissional, que acompanhei indiretamente o nascimento de algumas estruturas de DataCenter de concorrentes. Leva-se um tempo aproximado de 2 anos, tendo uma base de 6 meses para o planejamento de todo o processo operacional. Durante a fase do projeto, são analisadas questões como a localização da estrutura (que contempla o fornecimento energético, proximidade das fibras ópticas das operadoras, incidência de catástrofes naturais, etc.), compra do terreno e/ou galpão que será instalado o DataCenter, como funcionará a refrigeração dos corredores (corredor quente/frio), dentre outras análises pontuais.

Além disto, por conta da existência dos geradores e, consequentemente, seu tanque de armazenamento do óleo diesel, é necessário possuir uma licença ambiental que é fornecida pelo Governo Municipal da cidade em questão.

Em primeira mão gostaria de anunciar que estamos iniciando o projeto de construção de um novo DataCenter próprio da HostDime no Nordeste, que substituirá a estrutura atual e terá, pelo menos, 12x a capacidade atual de atendimento aos clientes, tanto no espaço físico, quanto no fornecimento de link e capacidade energética. O principal diferencial da nova estrutura está no fato de que todo o projeto está sendo pautado para a construção de um DataCenter, ou seja, a arquitetura e engenharia do prédio será feita para viabilizar um melhor aproveitamento dos recursos como um todo, tornando-o altamente sustentável do ponto de vista ecológico. Mas, como disse, é algo que deverá estar pronto e disponível para os clientes entre o final de 2013 e o primeiro semestre de 2014, totalmente construído com recursos próprios, sem recorrermos a financiamentos ou ao BNDES.

 

DdH – Quais são os principais desafios ao se construir uma estrutura deste tipo no Brasil? O custo é realmente muito superior ao de países da América do Norte e Europa?

Bem, um grande desafio de se montar uma estrutura destas no Brasil está na pequena oferta de equipamentos de ponta produzidos em nosso país. Somos obrigados a importar diversos equipamentos, o que nos obriga ao pagamento dos altos impostos relacionados a estes processos comerciais, que, infelizmente, acaba por retardar o lançamento da operação. As poucas ofertas de equipamentos de base para DataCenter (racks, sistemas de controle de temperatura e outros) que encontramos no Brasil são extremamente caras e limitadas. Inevitavelmente temos que recorrer ao exterior. No nosso caso não é tão dificultoso, já que a nossa Sede está localizada em Orlando-Flórida e temos operações físicas em outros países, mas mesmo assim trata-se de um empecilho oneroso. Outro ponto que impacta é a pequena quantidade de empresas de consultoria especializadas na implantação de DataCenters, o que também eleva o custo final da obra.

Já com a operação em andamento, o altíssimo custo da banda no Brasil e a baixa capacidade de fornecimento das empresas de telecomunicações também são um entrave. Hospedar serviços que têm alta demanda por banda no Brasil, como o streaming de áudio e vídeo, por exemplo, é uma tarefa que eleva consideravelmente o investimento. Tem melhorado bastante, mas ainda temos um caminho muito longo a ser percorrido.

 

DdH – A HostDime diz, em uma página sobre a nova estrutura, que trata-se do datacenter mais moderno da América Latina. Quais você considera os principais diferenciais dele na perspectiva do mercado brasileiro?

O primeiro ponto a ser destacado: Estamos hospedados em uma estrutura de ponta, administrada pela Equinix Brasil, localizada em Tamboré, na Grande São Paulo. Trata-se de uma das estruturas de DataCenter mais sofisticadas da América Latina, tendo as certificações TIER-3 e SAS-70. Indo mais além, não estamos 100% dependentes da Equinix na utilização da estrutura, uma vez que as sessões BGP dos backbones e do PTT-SP (o qual possuímos cross dedicado) são anunciadas por roteadores próprios da HostDime. Outro destaque interessante está nas réguas de energia, que são controláveis remotamente, o que nos permite interromper/fornecer alimentação energética para os servidores a qualquer momento, diretamente pelo nosso Painel CORE de gerenciamento de serviços.

Como citei anteriormente, apesar destes diferenciais, ainda temos outros bastante impactantes e pouco vistos no Brasil para um mercado com ticket médio não tão alto, como o KVM-IP gerenciado pela nossa equipe, o IPMI nativo dos servidores e as PDUs (réguas de energia) totalmente controláveis remotamente.

 

DdH – A preocupação com tecnologia verde vem crescendo muito recentemente. Isso está sendo levado em consideração na construção do novo DataCenter do Nordeste?

Sem sombra de dúvidas. O importante do investimento em sustentabilidade nas operações de um DataCenter é que, ao mesmo tempo, você une a ajuda aos recursos naturais do planeta e, de outro lado, economiza consideravelmente em contas altas, como o uso energético dos sistemas de refrigeração da estrutura. Pequenas medidas, como um espaço maior entre os racks para melhor evacuação e dissipação do calor, bem como a existência de “corredores frios” isolados na estrutura (em formato de estufa), podem trazer uma economia financeira alta. A economia financeira culmina, diretamente, na economia de recursos naturais responsáveis pela geração da energia.

Sabemos que vivemos em um gargalo de recursos no Brasil, principalmente quando o assunto é capacidade energética. Poder ajudar o planeta, economizar e liberar a energia do país para ser usada em outros projetos é algo bastante gratificante.

 

DdH – Por fim, gostaríamos de agradecer por dedicar um pouco de seu tempo com nossos leitores! Você gostaria de adicionar alguma informação que julga importante?

Agradeço em nome da HostDime Brasil pela oportunidade fornecida pelo DdH em apresentarmos a nossa nova estrutura em São Paulo e, em primeira mão, anunciar a construção de um novo DataCenter no Nordeste. Gostaria de falar, como deixa final, que o mercado de hosting no Brasil tem se consolidado e as empresas têm focado no fornecimento de serviços gerenciados e focados na satisfação plena dos clientes. Felizmente esta consolidação está trazendo um maior profissionalismo do mercado, o que acaba por gerar novos empregos (melhores remunerados), expansões físicas de operações, maior compra de equipamentos e maior oportunidade e disponibilidade. Esta consolidação beneficia os clientes na formação de grandes empresas com serviços diversificados, o que aumenta a concorrência e diminui o preço final, mesmo se tratando de serviços premium, normalmente mais caros.

É um novo momento para o Brasil, é um novo momento para o mercado de hosting no Brasil.



Você também vai gostar de:

Share This